pt

Peso das mochilas escolares: qual o mais adequado no regresso às aulas?

Setembro é um mês de regressos. Desde da rotina de trabalho ao retorno, ou início, das aulas, este é um período que tem um sabor a novos começos. Porque não começar com hábitos saudáveis? Neste artigo sobre o peso das mochilas, a Clínica Lambert deixa-lhe alguns conselhos para evitar lesões graves no futuro dos jovens.

O peso das mochilas escolares é um tema que levanta muitas questões. Por um lado, as crianças devem ter todo o material para as aulas de modo a conseguirem o melhor aproveitamento. Por outro, este pode ser excessivo, levando a desconforto e até situação de dor prolongada. É um tema de tal forma importante, que o parlamento português aprovou um projeto de resolução para evitar esta situação com 11 medidas específicas.  Estas incluíam a criação de salas fixas para os alunos não terem de carregar as malas o dia inteiro e acções de comunicação para aumentar o conhecimento sobre este tema. 

Porém, estas recomendações continuam a não ser aplicadas, tendo em conta que, em Portugal, o peso das mochilas escolares, em muitos casos, é três vezes superior ao recomendado pela Organização Mundial de Saúde. 

Qual é o peso recomendado para mochilas escolares? 

Entre as idades dos 6 aos 18, as malas não devem pesar mais do que 10% do peso de uma criança ou jovem.  Ou seja, se um estudante tiver 30 quilogramas, a sua mala tem de ter, no máximo, 3.  O que equivale a três livros e uma lancheira.

No entanto, é normal também os alunos serem obrigados a trazer de casa equipamento desportivo e outro tipo de materiais. É preciso ter atenção a esta situação, pois as consequências podem ir para lá de uma simples dor nas costas. 

O que acontece se não seguirmos estas recomendações? 

A curto prazo, estudos relatam que 16% dos alunos tiveram dores na coluna graves o suficiente para os impedir de brincar ou até praticar desporto. No entanto, é a médio-longo prazo que os efeitos se fazem sentir com seriedade.

Desta forma, malas com uma massa excessiva estão associadas a lesões que modificam o normal crescimento das crianças. Isto porque os jovens estão na fase mais importante do seu desenvolvimento corporal.

Segundo a DGS, as doenças musculoesqueléticas desenvolvem-se nestas idades devido à habitual sobrecarga dos materiais educativos que anda de “mão dada” com posturas incorretas, levando a situações como: Dor nos ombros, devido à pressão das fitas da mala e maior dificuldade no balanço, levando a mais quedas. 

Como evitar esta situação?

Mesmo que as crianças tenham de levar demasiados materiais às costas, há formas de contornar esta realidade. A Clínica Lambert deixa-lhe 4 conselhos para melhorar a saúde ortopédica dos jovens: 

  1. Escolher a mochila certa.

    O tamanho da mala deve ser proporcional ao jovem. Assim sendo, uma criança de 6 anos não deve usar uma mochila para pessoas adultas.  Para além disso, esta deve ficar no centro da coluna. Nunca acima dos ombros, e um pouco acima da cintura.

    Contudo, não se esqueça que este vai ser o material escolar mais utilizado pelo aluno. Por isso, é importante experimentar sempre antes de comprar. Desta forma, garante o conforto e a qualidade. 
  2. Usar a mala da forma correta. (Nos dois ombros)

    As duas alças dão maior segurança no andar, por ajudarem a distribuir o peso. Assim sendo, ter a mochila num só ombro, causa pressão desnecessária na coluna, podendo levar a um desalinhamento da mesma. 
  3. Evitar carregar o mesmo peso o dia inteiro.

    Passar o dia a levantar um objeto tão pesado é mais prejudicial do que uma caminhada até casa com o mesmo. Assim sendo, havendo oportunidade, a criança deve guardar os seus pertences no cacifo escolar. Desta forma, pode ter a sua mochila com um peso adequado ao longo da jornada de aulas. 
  4. Fazer exercício. 

    Pode parecer desadequada, mas esta recomendação encaixa-se na perfeição neste tema. O desporto fortalece o corpo, capacitando-o a carregar mais ao longo do tempo. 
o peso das mochilas escolares deve ser adequado

Pela saúde ortopédica das crianças, as mochilas não devem ser pesadas. 

Por fim, na Clínica Lambert, sabemos que os jovens são o futuro do planeta. Por isso, temos de garantir o seu bem-estar nas várias fases da vida. Portanto, no nosso espaço de saúde, temos vários serviços especializados que podem ajudar os mais novos no  processo de crescimento. 

A nossa consulta de coluna, com os médicos ortopedistas, Dr. Nuno Coutinho e Dr. André Santos de Barros, é a indicada para adultos que sofrem com as consequências do peso das mochilas escolares ao longo dos anos. 

Já para as crianças, por ainda estarem no processo de desenvolvimento, a consulta de ortopedia infantil, com a Dra. Joana Ovídio e a Dra. Joana Arcângelo, é especializada neste tipo de casos, em que há alterações, como deformidades dos membros e da coluna. 

Para mais informações pode entrar em contacto direto connosco em:  

Clinicalambert.pt

Call Now Button