pt
Atendimento Permanente Todos os dias das 08:00-22:00 +351 217 582 336 geral@clinicalambert.pt R. Cordeiro Ferreira 3 1750-071, Lisboa

A nutrição desportiva em tempos de pandemia

A nutrição desportiva em tempos de pandemia

Para a maioria dos atletas, a pandemia de COVID-19 significa longos períodos de paragem desportiva. Manterem-se o mais saudáveis possível, com um mínimo de impacto na forma física bem como no estado de espírito, requer uma dieta alimentar adequada às novas necessidades energéticas. Neste artigo, mostramos-lhe a importância de uma nutrição desportiva equilibrada e abordamos algumas estratégias a adoptar.

Que desafios representa o confinamento para os atletas?

Menos atividade física é sinónimo de menor dispêndio energético. E só isso já seria motivo suficiente para adaptar a dieta alimentar a estes tempos conturbados, de modo a evitar uma série de acontecimentos nefastos em cadeia: aumento de peso, diminuição da boa forma física, diminuição do rendimento desportivo.

Mas, no último ano, tal como o cidadão comum, os atletas também têm vivido sob o peso do medo, da angústia, da incerteza, da tristeza e da ansiedade.

Todos estes sentimentos contribuem para um elevado nível de stress, o que resulta numa maior segregação de cortisol, hormona responsável pelo equilíbrio do metabolismo e da resposta imunitária. Em consequência, o cortisol aumenta o apetite e redireciona o organismo para armazenar gordura. Daí advém frequentemente o desejo por alimentos altamente calóricos. A densidade energética refere-se à quantidade de energia fornecida em kcal por determinada porção do alimento e depende das quantidades de gordura, hidratos de carbono, proteínas e água presentes nos alimentos.

Além disso, ao longo do tempo, elevados níveis de cortisol promovem a diminuição de energia, o aumento de peso e da pressão arterial, provoca alterações de sono, entre outros efeitos negativos.

É fácil de ver que estes factores, em conjunto, originam uma bomba-relógio no que toca ao equilíbrio nutricional de que os atletas necessitam para manter a boa forma física com uma composição corporal adequada.

Como manter na linha a dieta alimentar dos desportistas?

Uma regra de ouro é: mais nutrientes, menos calorias. Ou seja, privilegiar alimentos nutricionalmente ricos em vez de alimentos com elevada densidade energética.

A lista do supermercado deve ser cuidadosamente pensada de forma a garantir que, além de saudável, contem uma grande variedade de alimentos ricos em:

Lista de Compras
  • antioxidantes (uvas, frutos-vermelhos, tomate, limão, brócolos)
  • ácidos gordos como ômega-3 e ómega-6 (peixe, nozes, amêndoas, legumes de cor verde escura, óleos vegetais)
  • probióticos (iogurtes, bebidas fermentadas, kefir, vinagre de cidra)
  • prebióticos (cebola, banana, cereais integrais)
  • vitaminas A e D (cenoura, ovo, salmão, sardinha, cogumelos)
  • carbohidratos complexos (quinoa, batata doce, fruta)
  • proteínas (leguminosas, ovos, leite, queijo, carne, peixe)

As refeições diárias devem rondar as cinco: pequeno-almoço, snack a meio da manhã, almoço, lanche e jantar. Respeitar os horários e o tempo de pausa dedicado a cada refeição é um óptimo princípio a adoptar, se ainda não o faz.

Por fim, juntar dois ingredientes essenciais: 

  • hábitos de sono saudáveis (leia mais sobre isso aqui) e
  • muita hidratação. Sempre! 

Se sente que poderia beneficiar de um acompanhamento especializado na área de nutrição, não hesite em procurar a ajuda da nossa nutricionista Sara Romeiro, especializada em nutrição clínica e desportiva.

Call Now Button