pt
Atendimento Permanente Todos os dias das 08:00-22:00 +351 217 582 336 geral@clinicalambert.pt R. Cordeiro Ferreira 3 1750-071, Lisboa

Reumatologia: Dores do desporto ou algo mais?

Reumatologia é o ramo da medicina que lida com o tratamento das condições que afetam as articulações, os ossos, os músculos, os tendões e os ligamentos – as doenças reumáticas. Estas podem ser causadas por problemas no sistema imunitário, inflamações, infecções ou pela natural deterioração das articulações, músculos e ossos. Daí afetarem o aparelho locomotor. Neste artigo vamos descobrir mais sobre esta especialidade e quais as principais lesões.

As doenças de reumatologia, principalmente nos mais jovens, podem esconder-se naquilo que, à primeira vista, parecem ser lesões desportivas ou traumáticas. Por isso, é importante perceber quais são as doenças reumatológicas mais comuns, quais os seus sintomas e como podem afetar a vida de jovens, adultos e idosos.

  1. Dor Lombar:
    As dores no fundo das costas são uma queixa recorrente. Um “mau-jeito” ou passar muito tempo sentado numa cadeira desconfortável são formas simples de começar a sentir uma pontada nessa área. Para desportistas, esta é uma queixa mais comum, devido aos seus esforços físicos, e tende a estar relacionada com tensão muscular (excesso de treino) ou espondilólise: quando uma das vértebras da coluna desliza da sua posição normal, geralmente, deslocando-se para frente, sobre a vértebra que se encontra imediatamente abaixo. No entanto, uma dor lombar – em especial, se for crónica – pode ser a indicação de uma doença reumatológica. Por exemplo:
  1. Espondiloartrite:
    Espondiloartrite é uma forma de artrite que, no entanto, difere, pois envolve os ligamentos e tendões ligados aos ossos. As “entheses”.

Sintomas:
Existem 2 tipos de Espondiloartrite:
Espondiloartrite lateral: Os principais sintomas são dores e rigidez nas costas.
Espondiloartrite perennial: Causa dor e rigidez, como acima, mas também inchaço nas mão, pernas, braços e pernas.

Algumas pessoas podem mesmo ter os dois tipos simultaneamente. Também há que ter atenção às outras condições que podem levar a espondiloartrite, como psoríase, doenças do cólon inflamado e algumas infecções como bactérias no estômago ou IST’s.

Diagnóstico:
O diagnóstico é possível através de exames físicos, apesar de o especialista poder pedir também testes de imagiologia e análises ao sangue. Se ambos forem inconclusivos, recorre-se a um exame de ressonância magnética.

Tratamento:
Os tratamentos passam por fisioterapia, com exercícios direcionados às articulações. Principalmente, os que promovem a extensão da coluna vertebral e mobilidade. Já no que toca a medicamentos, os analgésicos são a primeira linha de ataque como o naproxeno, ou ibuprofeno, entre outros.

  1. Dores no pescoço:
    As dores no pescoço podem ser de difícil diagnóstico, pois há muitas variantes a ter em conta. No entanto, em casos de maior dificuldade, podemos considerar sinais de artrite reumatoide – que podem ter este como principal sintoma, mais comum ainda, quando estes parecem resultar de uma inflamação, ao invés de uma doença degenerativa.

A artrite reumatoide é uma doença autoimune. O sistema imunológico ataca as articulações. As mais afetadas tendem a ser encontradas nas mãos, pulsos e joelhos. Causa dor, inflamação e rigidez e leva a uma consequente degeneração das articulações. Para  pessoas com artrite reumatoide  é possível perder funções articulares ou desenvolver deformidades nas articulações afetadas.

Com artrite reumatóide, a dor e a inflamação, geralmente, acontecem durante momentos tão simples como vestir, tomar banho ou conduzir ou, até, comer certos alimentos ou na ambientação de certos medicamentos. Noutras alturas, os sintomas são menos graves, podendo mesmo desaparecer, entrando assim em remissão ou até desaparecer. A Artrite reumatoide é uma doença sistémica e pode afetar os principais órgãos do corpo, tais como olhos, pulmões, pele, coração, rins e sistemas nervoso e gastrointestinal. Também consegue afetar o sangue e causar anemia.

Sintomas
Esta doença crónica tem como principais sintomas a inflamação e a dor nas articulações. Os sintomas são mais visíveis e sentidos em momentos – que para a maioria das pessoas não são difíceis – do dia a dia.

Diagnóstico
Apesar de ter tantos sintomas diferentes, diagnosticar artrite reumatoide pode demorar algum tempo e muitos testes e exames diferentes.

Primeiro, o seu reumatologista fará as perguntas de rotina, que incluem sintomas e historial médico, em combinação com um exame às articulações, que inclui procurar por inchaços e zonas avermelhadas, testar os reflexos das zonas afetadas e examinar os possíveis nódulos.

Após esta análise, para confirmar o diagnóstico,  fazem-se sempre exames complementares, como raio-x ou ressonância magnética e, inclusive análises ao sangue de modo a descobrir certos parâmetros indicativos de artrite reumatoide e outras doenças auto-imunes. 

Tratamento
Não há cura para a artrite reumatoide, mas há tratamentos eficazes para atenuar a dor, dando maior conforto aos pacientes. Estes têm de ser medidos e atualizados entre o doente e o paciente, para a melhor recuperação possível.

  1. Dores nas ancas e virilha:
    Estas dores tendem a estar relacionadas com desportos que envolvam movimentos repetidos como futebol, basquetebol ou corrida.

No entanto, em alguns casos mais raros, podem ser perturbações reumáticas. As doenças reumáticas que podem apresentar-se como artrite da anca são a espondiloartrite, a artrite reumatologia e gota.

  1. A gota – a doença que ainda não falámos neste artigo –, parece uma doença antiga. No entanto, pode acontecer a qualquer pessoa
Especialista de reumatologia a fazer um exame

Sintomas:
O seu sintoma mais evidente é as pontadas momentâneas de dor, inchaço e vermelhidão de uma articulação. A mais habitual é a que se encontra no maior dedo do pé.

Diagnóstico
Este tende a ser feito a partir da observação da articulação inflamada e dos sintomas assinalados. Há testes para melhor diagnosticar:

  1. Retirar fluído do local
  2. Análise de sangue
  3. Raio-X
  4. Ecografias

Tratamento
O tratamento para a gota vai depender do estado em que o paciente se encontra. Mas pode ser dividido em duas situações. O Primeiro usado para ajudar a reduzir a inflamação e a dor associada aos ataques de gota e é baseado em analgésicos e anti-inflamatórios. O segundo, trata de prevenir a quantidade de ácido úrico no sangue, com medicação própria para o efeito.

O que fazer em caso de lesão?

Se, após uma lesão causada por um trauma, ou se simplesmente sentir dor num local específico do corpo, a Clínica Lambert está disponível para o ajudar na recuperação e diagnóstico. Com este artigo compreendemos a importância de averiguar sempre quais as causas das queixas, de modo a ter o melhor tratamento possível.

Nesta, ou outras situações, não hesite em contactar a Clínica Lambert em: +351 217 582 336 ou pode enviar um e-mail para info@clinicalambert.pt. Temos, também, um serviço permanente, aberto todos os dias, das 8 da manhã até às 22 horas. 

Call Now Button