pt
Atendimento Permanente Todos os dias das 08:00-22:00 +351 217 582 336 geral@clinicalambert.pt R. Cordeiro Ferreira 3 1750-071, Lisboa

DEDO EM GATILHO

PATOLOGIAS PUNHO E MÃO

QUEM AFECTA?

Afecta pessoas de todas as idades.
Mais frequente em diabéticos, pessoas com patologia da tiroide, artrite reumatóide, entre outras.

PORQUE ACONTECE?

Os tendões que fazem dobrar os dedos deslizam através de um sistema de túneis/roldanas ao longo dos dedos. Estas estruturas destinam-se a assegurar o deslizamento correcto do tendão.
Na palma da mão, imediatamente acima da raiz do dedo, na zona de um desses túneis desenvolve-se um processo inflamatório que aprisiona o tendão, que geralmente também está espessado, quando este desliza para dobrar o dedo.
Desta forma, o dobrar do dedo provoca dor, um ressalto ou prende-o em flexão.

SINTOMAS

-Dor na palma da mão e ao mobilizar o dedo;
-Inchaço;
-Ressalto ao dobrar o dedo;
-O dedo geralmente dobra por completo, mas pode ficar preso nessa posição, podendo ser necessário desbloqueá-lo com a outra mão.

EXAME CLÍNICO

Dor na zona referida da palma da mão.
Nódulo palpável no trajecto do tendão.
Ressalto ou bloqueio do dedo em flexão são sentidos e observados.

EXAMES COMPLEMENTARES

Normalmente não necessários exames para confirmar este diagnóstico, é suficiente o exame clínico feito pelo médico. Por vezes, em casos duvidosos, pode ser necessária uma ecografia.

TRATAMENTO CONSERVADOR, NÃO CIRÚRGICO

– Medicação com anti-inflamatórios e analgésicos;
– Infiltração com um corticosteróide (geralmente, uma ou duas no máximo) – pode ajudar a reduzir a inflamação, a dor e o ressalto/bloqueio de forma drástica, mas normalmente não resulta em fases mais avançadas da doença, nem devem ser repetidas sistematicamente pelo risco de lesar o tendão flexor.

TRATAMENTO CIRÚRGICO

Quando o tratamento conservador falha, ou quando há um bloqueio mecânico franco do dedo, está indicado o tratamento cirúrgico.
A cirurgia é feita em ambulatório, geralmente sob anestesia local, usando-se um garrote imediatamente acima do punho, e dura cerca de 15 minutos.
É feita uma pequena incisão na palma da mão, geralmente na prega palmar adjacente ao tendão afectado, sendo feita a abertura do túnel que limita o movimento do tendão.
A pele é encerrada com pontos simples, que são retirados após cerca de 2 semanas.
É aplicado um penso pequeno e é estimulado a mobilização imediata do dedo.

REABILITAÇÃO PÓS-OPERATÓRIA

O doente pode ir para casa logo após a operação.
Os analgésicos prescritos geralmente controlam a dor no pós-operatório e devem ser iniciados após a alta, antes da anestesia local perder o seu efeito.
A mão deve ser elevada, tanto quanto possível, durante os primeiros 5 dias, para prevenir o inchaço.
É estimulado o movimento suave dos dedos e punho.
O penso é normalmente trocado 2 ou 3 dias após a cirurgia, para um penso mais pequeno, sendo necessários cuidados de penso até cerca das 2 semanas de pós-operatório.
As suturas geralmente são retiradas ao fim de cerca de 2 semanas.
As melhorias são, normalmente, rápidas, mas pode levar até cerca de 3 meses para se ver o resultado final da cirurgia.

Clique aqui para descarregar as instruções pós-operatórias.

RETORNO ÀS ACTIVIDADES DA VIDA DIÁRIA

Condução: a mão precisa de ter controlo total sobre o volante ou alavanca de mudanças. É aconselhável atrasar o regresso à condução até que se esteja livre de dor e se possa controlar um carro numa emergência, o que pode levar alguns dias.

Trabalho: depende do ambiente de trabalho de cada pessoa. O regresso ao trabalho manual pesado só se aconselha passadas cerca de 4 semanas. Trabalho administrativo pode ser retomado imediatamente ou passados poucos dias da cirurgia.

COMPLICAÇÕES

Em geral, mais de 95% dos doentes ficam totalmente satisfeitos com o resultado. Contudo, podem ocorrer complicações.
Existem complicações específicas para a esta cirurgia e também complicações gerais associadas à cirurgia da mão.

Complicações gerais:
– Infecção (muito rara);
– Nevroma/lesão nervosa;
– Dormência;
– Cicatriz incómoda/dolorosa/hipertrófica;
– Inchaço;
– Equimose;
– Rigidez;
– Síndrome de dor regional complexa (1-2%; reação rara à cirurgia com mãos rígidas e dolorosas – pode ocorrer com qualquer cirurgia da mão, desde um procedimento menor até outro mais complexo).

Complicações específicas:
– Falha em resolver completamente os sintomas (pode ocorrer por libertação incompleta do tendão – é raro acontecer, mas pode exigir nova cirurgia);
– Lesão de um dos nervos e/ou vasos colaterais dos dedos;
– Cicatriz incómoda durante algumas semanas a meses.

FRANCISCO MERCIER

Médico Ortopedista - Punho e Mão

“Chamo-me Francisco Mercier e nasci no Porto em 1981. Licenciei-me em Medicina pela Universidade de Coimbra em 2005 e especializei-me em Ortopedia nos Hospitais da Universidade de Coimbra em 2013.”

CONTACTO TELEFÓNICO

217 582 336
geral@clinicalambert.pt
R. Cordeiro Ferreira 3, 1750-071 Lisboa

MARQUE JÁ
A SUA CONSULTA DO PUNHO E MÃO

Entraremos em contacto consigo em menos de 24h

    TELEFONAR